mensagem_deusefamilia

DEUS E FAMÍLIA UMA RELAÇÃO DE AMOR

DEUS E FAMÍLIA UMA RELAÇÃO DE AMOR

Deus ama a família porque Ele é um Deus família. Deus Pai, Filho e Espírito Santo se relacionam amorosa, dinâmica e intimamente. Nosso Deus é relacional. Há na Trindade  um relacionamento de cumplicidade, de fidelidade de abertura.

 

Não tenho dúvida de que Deus ao instituir a família o fez a partir de sua própria natureza trinitária, desejando que a mesma vivesse na perspectiva da Trindade. Em outras palavras, o modelo para a vivencia familiar é o nosso Deus. Não queremos apenas espiritualizar a presença de Deus na família. O que queremos afirmar é QUE A NATUREZA DE DEUS SE ENCONTRA DIRETAMENTE NA EXISTÊNCIA DA FAMÍLIA e isso transcende à percepção humana.

 

Sendo assim, o grande desafio da família hoje é desenvolver a sua afetividade. As relações familiares precisam estar marcadas pelo amor. E o amor com que Deus deseja que a família se constitua é o seu próprio amor. Um amor espontâneo, livre, voluntário. Amor que não pode ser exigido, forçado ou coagido. Constituir família e viver sem essa opção do amor voluntário vai gerar relações tensas, fragmentadas, superficiais, difusas, feias e doentes.

 

É na família cristã que o amor de Deus é revelado também. É nela que se manifestam e desenvolvem as mais profundas e intimas relações de amor, de lealdade, de fidelidade, de respeito, de igualdade e de unidade. Em outras palavras, é no ambiente da família que o modelo de relacionamento idealizado pelo Senhor se manifesta de forma intensa.

 

É na família cristã que somos desafiados a viver a experiência da redenção, ou seja, praticando: acolhimento, perdão, dignidade, igualdade e a unidade. Toda vez que o inferno se instala na família sob forma de opressão, amargura, ódio, divisão, falta de relação, sujeição, tortura (física e emocional). Isto significa que a família está demonstrando a ineficiência da redenção em suas vidas.

 

Outro grande desafio da família de hoje é desenvolver uma espiritualidade comunitária ao lado da prática de uma espiritualidade individual. Não significa negar a individualidade, mas cultivar a dimensão da espiritualidade comunitária, tendo como modelo o Deus Trino a quem servimos.

 

O desafio em meio à banalização do casamento e, conseqüentemente da família, é não perdermos de vista o modelo de Deus para nossa vida. Quando isso acontece, corremos o risco de comprometer todas posteriores associações que o homem possa criar e desenvolver em sua existência histórica. Ou seja: SE O AMOR DE DEUS NÃO SE REVELAR NA FAMÍLIA HAVERÁ POUCAS POSSIBILIDADES DE SE REVELAR EM OUTROS SEGMENTOS DA SOCIEDADE.

 

Irmãos e irmãs, famílias em Cristo, vivamos uma verdadeira relação de amor dentro da família e com o Deus da família.

 

Pense nisso!

Marcos J.A. Alvarenga

%d blogueiros gostam disto: